.quads-ad-label { font-size: 12px; text-align: center; color: #333;}

Advertisements

“Quando entrei, parecia ser uma sala normal como todas as outras. Ele dirigiu-se a mim e disse: ‘ _Coloque aquele fato de desintoxicação para começarmos_’.

Não foi preciso muito, assim que coloquei o facto eu logo senti uma mudança no clima, as luzes apagaram e senti o meu corpo mais pesado e logo procurei me sentar na maca mais próxima. Não aguentei, então, adormeci.

Antes de começar o processo, o homem me tinha explicado que seria um pouco doloroso, que ele não faria nada, apenas me levaria ao derradeiro combate, *Eu VS Minha Alma* ou pelo menos o que existia dentro dela.

Quando acordei, estava num lugar deserto, onde passavam as minhas memórias a minha frente. Reparei que boa parte delas eu estava sozinho, mas o que mais me inquietou, é a mancha preta ao volta de todas as imagens.

De repente, ouço passos em minha direcção mas não sabia donde vinham. Comecei a sentir algo que previamente pareceu uma picada a percorreu o meu corpo, quando alguém fala: ‘ _*Corcunda*, sempre vieste ao meu encontro._’

Quando me volto, eu vi o que nem sequer imaginava. Era *_o preto_* que eu carregava dentro de mim, e ao lado dele estava alguém aprisionado, acorrentado e ajoelhado aos seus pés.

Ele parecia estar feliz por me ter visto, mesmo de longe, mas ao mesmo tempo, aquele que estava acorrentado não parava de chorar e de sangrar pelo corpo todo. Dele saíam feridas causadas pelas palavras de *_preto_* como se uma espada o rasgasse toda a 1ª camada de sua pele até chegar no fundo.

O seu sofrimento me incomodou até não aguentar mais ver nem ouvir o que se passava. Então perguntei:
‘ _O que se passa realmente com ele? Quem é ele? Estou aqui para resolver as questões dos meus Vícios da Alma mas não sei porquê te encontrei. O que fazes aqui?_’

Ele olha para mim como se estivesse chateado e exclama:
‘ _Você? Você veio resolver os seus problemas de Vícios da Alma? HAHAHA, você nem entende sequer o que se passa aqui pois não!?_’

‘ _Porquê você fala assim comigo? Não sou seu inimigo, mas ainda assim acho que não deverias tratar assim este que está contigo_’, exclamei.

‘ _Óh, você não entendeu ainda? Eu, sou seu Vício desde que você me conheceu e me acolheu. E este a quem tenho ao meu lado, é a sua preciosa *corcunda*_’.

Mr. Kb

Author: Sadirah Pires

Advertisements

Partilhar isto: